Unidade de Acolhimento Estadual realiza programação alusiva ao Dia Nacional da Saúde

Em alusão ao Dia Nacional da Saúde, comemorado neste sábado (5), a Unidade de Acolhimento Estadual promoveu na manhã desta sexta-feira (4) uma programação que reuniu pacientes e familiares em uma roda de conversa sobre saúde. Foram abordados três temas: Saúde do Homem, Saúde da Mulher e Saúde Bucal.

De acordo com diretora da Unidade de Acolhimento Estadual, Lucilene Castro, a proposta do evento é promover o diálogo dos pacientes com os profissionais convidados, facilitando a absorção das informações que serão compartilhadas.

“A gente sempre faz palestra e dessa vez quisemos fazer algo que eles pudessem participar e interagir mais, por isso, convidamos um psicólogo, um advogado e uma equipe de profissionais do SESC, que irão discutir os temas ligados à saúde com eles”, explicou a diretora.

Egiovan Silva, de 27 anos, aprovou a programação e comentou como contribui com o tratamento realizado na Unidade. “É bom pra gente, abre nossa mente, explica melhor sobre o que a gente está passando e ensina a gente a saber lidar com essa situação que estamos enfrentando. Isso é saúde também, como o doutor acabou de falar”, comentou o rapaz, se referindo a uma das palestras apresentadas durante a programação.

Para Valdemilton Gomes, de 35 anos, oportunizar momentos de troca de informação com profissionais que podem ajudá-los é mais uma forma de a Unidade de Acolhimento demonstrar como cuida dos internos.

“Aqui todo mundo tem muito cuidado com a gente e realizar eventos assim, trazendo pessoas que entendem também de saúde para conversar com a gente, para nos mostrar o caminho para recuperar a nossa, é muito importante para nós”, disse.

A diretora ressalta que o formato da programação busca levar os pacientes a exercerem seu protagonismo, o que reflete na autoestima deles e, consequentemente, na saúde.

“A gente está sempre levando eles a exercitarem isso, identificamos perfis e colocamos para serem protagonistas dentro de temáticas que a gente vê que dominam. Por exemplo, tem pacientes que são ótimos com artes plásticas, então já os colocamos para liderar um grupo em que eles compartilhem o conhecimento que têm com outras pessoas, o que dá confiança e perspectiva para eles”, afirmou Lucilene.