Governo promove debate sobre Vigilância Sanitária em Conferência Livre

Em alusão ao Dia Nacional de Vigilância Sanitária, comemorado neste sábado (5), o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), realizou uma Conferência Livre de Vigilância Sanitária. O encontro, que aconteceu nesta sexta-feira (4), teve como tema “Política Nacional de Vigilância em Saúde e o fortalecimento do SUS como direito à proteção e promoção da saúde do povo brasileiro”. A conferência livre teve o objetivo de sistematizar as propostas que serão debatidas na Conferência Estadual, prevista para setembro.

O secretário adjunto da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, Marcelo Rosa, explicou o objetivo do encontro. “Os estados estão se preparando para elencar as propostas para a conferência nacional que acontecerá em novembro, em Brasília. Nessa semana alusiva ao Dia Nacional de Vigilância Sanitária, estamos realizando esse encontro com o objetivo de debater temas relacionados e propor soluções para superar os desafios nessa área”, destacou.

Participaram das discussões da conferência livre profissionais das vigilâncias sanitárias, ambiental, saúde do trabalhador e epidemiológica, além de representantes da Atenção Primária em Saúde e dos conselhos estadual e municipal de saúde. As discussões da conferência livre envolveram eixos temáticos baseados na etapa nacional do encontro, como o papel do Estado na promoção da Vigilância em Saúde, as práticas e saberes da vigilância no cotidiano do SUS e o controle social nas ações da vigilância.

O superintendente estadual de Vigilância Sanitária, Edmilson Silva, destacou que as discussões são importantes por vários motivos, inclusive para promover a integração entre as áreas. “O objetivo é fomentar as discussões e ouvir os municípios. Além disso, o momento de diálogo presencial fortalece o sistema e promove a integração entre as vigilâncias, que têm o papel de promover a proteção da saúde da população através da prevenção de riscos e agravos”, afirmou.

Durante o encontro, uma das reflexões propostas questionava como a Vigilância Sanitária poderia contribuir com a garantia de acesso da população a produtos e serviços com segurança e qualidade, de forma articulada às demais ações da Vigilância em Saúde. Os participantes destacaram, entre as propostas, a necessidade de ampliar o diálogo com a população, trabalhar a educação sanitária e promover maior integração entre as ações das vigilâncias.

O técnico do departamento de zoonoses da Vigilância Epidemiológica, Orlando Martins, participou da conferência livre e ressaltou que, no debate, é fundamental a participação de quem trabalha na área da vigilância. “Acho importantíssimo, porque precisamos lembrar que estamos dentro de um contexto nacional. Em uma conferência conta muito o ponto de vista de quem trabalha diariamente na área e convive com a realidade. Vejo esse encontro como uma oportunidade de sugerir e propor sugestões para a saúde pública”, disse.