Governo orienta população para intensificar o combate ao Aedes

SES realiza ações preventivas de combate ao Aedes aegypti. Foto: Francisco Campos

O Governo do Estado orienta população a intensificar o combate ao Aedes aegypti. Em condições favoráveis, a exemplo do verão, altas temperaturas e chuvas, aumentam o risco de formação de criadouros do mosquito. O combate ao Aedes deve ser periódico. Afinal, tudo que acumula água pode ser foco do mosquito, transmissor de três doenças que podem até matar: dengue, chikungunya e zika.

No Maranhão, de acordo com dados do Levantamento Rápido de Índice de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), a concentração de focos do mosquito foi identificada em reservatórios de água, como tonéis, tambores e caixa d’águas, em quatro levantamentos realizados em 54 municípios.  Os dados são de 2016. Segundo a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Maria das Graças Lírio Leite, o Governo adota medidas estratégicas, mas é indispensável apoio da população com ações diárias de combate ao mosquito.

“O Aedes aegypti se adaptou rapidamente ao convívio nas áreas urbanas. O vetor busca formas que facilitem a sobrevivência da sua espécie. Por outro lado, a população deve combater o vetor, no ambiente doméstico, com vistorias e eliminação dos focos. Outra medida importante é a proteção contra o mosquito na forma alada com o uso do repelente. Recomendamos que a população faça a adesão de todas as formas de prevenção, da limpeza dos ambientes até a autoproteção”, explicou Graça Lírio.

 

Prevenção

Evitando água parada, a população elimina potenciais focos do mosquito, mantendo as garrafas com a boca virada para baixo, pneus acondicionados em locais cobertos, fazer sempre a manutenção de piscinas, se o ralo não for de abrir e fechar, instalar uma tela fina para impedir o acesso do mosquito à água.

Para combater o mosquito, os especialistas recomendam, também, a utilização de tonéis e barris de água com tampas, lavar semanalmente por dentro com escova e sabão os tanques utilizados para armazenar água, adotar tampa na caixa-d’água com tela, remover folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas, assim como não deixar água acumulada sobre a laje.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) disponibilizou hotsite “Maranhão contra o Aedes” (http://www.maranhaocontraoaedes.ma.gov.br). É possível obter dados informativos e educativos, por exemplo, as consequências dos casos de dengue, chikungunya e Zika.

Em 2016, a SES implantou brigadas de combate ao Aedes nas instituições públicas estaduais. Os brigadistas têm o objetivo de fazer a vistoria em todas as áreas comuns dos prédios públicos. Em casos de risco, eles informarão as equipes Programa Estadual da Dengue da SES. Os brigadistas contarão com o apoio técnico dos profissionais do Programa Dengue da SES.

De 1º de janeiro até 10 de dezembro de 2016, foram notificados 23.996 casos de dengue no Maranhão, dos quais 12.245 foram confirmados. No mesmo período, foram registrados 13.392 casos de febre chikungunya, sendo 9.881 confirmados. Entre os dados notificados de zika vírus, 4.702 casos, sendo 4.145 confirmados.  Os dados são do Programa Estadual da Dengue da Secretaria Adjunta da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, com base no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

 

Repasse

O Ministério da Saúde (MS) autorizou o repasse de R$ 145 milhões a todos os municípios brasileiros e ao Distrito Federal. Para os 217 municípios maranhenses, serão destinados R$ 8,1 milhões ao enfrentamento do mosquito Aedes aegypti.

O Governo do Estado já iniciou a elaboração do Plano de Contingência de Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue, Chikungunya e Zika. Em janeiro, a SES intensifica o planejamento das ações de combate ao Aedes, com a participação de técnicos do órgão, além da participação dos representantes do Comitê Interinstitucional de Combate ao Aedes aegypti.

 

Cuidados para evitar focos do Aedes

Tampe os tonéis e caixa d’água;

Mantenha as calhas sempre limpas;

Mantenha lixeiras bem tampadas;

Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;

Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;

Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

Fonte: Ministério da Saúde